Quer seja o formal ou o proibido, o fato é que o inglês observa algumas regras que adquiriu ao longo dos séculos e que, em termos gerais, lhe dão um certo verniz de sanidade. De um modo geral, o idioma é dividido em dois níveis: o standard English (inglês padrão, o inglês dito culto), e o nonstandard English (não padrão). É precisamente entre esses dois extremos que você vai encontrar os vários níveis do idioma que já vimos em outros capítulos e que se misturam com a maior facilidade para compor o inglês cotidiano, cada um com suas características e graus de aceitação social.

capa de gramática de inglês padrão, standard english grammar

Standard English Grammar
Gramática do Inglês Padrão

O standard English é a linguagem escrita usada no dia a dia dos negócios, na indústria, no governo, no sistema educacional e nas profissões liberais, e que segue um padrão reconhecido por todos quanto ao rigor da gramática, pontuação, uso de maiúsculas, ortografia, escolha e uso de vocabulário adequado, etc. Já o nonstandard English é usado por aqueles que não conhecem, ou fazem questão de não observar, os padrões do inglês escrito e que é caracterizado por erros gramaticais, pontuação inadequada e outras ocorrências não permitidas. Como castigo, digamos assim, o nonstandard English não aparece normalmente na imprensa ou na literatura chamada séria, exceto quando usado por escritores para obter determinado efeito literário. Infelizmente para um estrangeiro, tanto o inglês padrão quanto o não padrão se embaralham e marcam forte presença na linguagem comum falada.

Ao standard English, quando escrito ou falado de forma mais solta e descontraída, dá-se o nome de colloquial English e é usado em conversação normal, em correspondência, recados e outras comunicações de cunho pessoal, mas não em correspondência comercial, e muito menos em documentos oficiais, profissionais, jurídicos, tratados filosóficos, etc. O colloquial English apenas falado também é muitas vezes identificado como vernacular English. Mas, à medida que o vernacular vai-se afastando dos princípios do standard English, e sua informalidade fica mais acentuada, ele vai assumindo características de acordo com as circunstâncias e dependendo das pessoas que o usam. Aí ele pode virar jargon, shoptalk, gobbledygook, slang, cant, lingo, tabu, etc.

O próprio standard English, embora sendo rigorosamente obedecido, também está sujeito a mutações. As circunstâncias o obrigaram a se especializar de tal forma que já deu filhotes, hoje representados por vários tipos de inglês usados em diversos setores e atividades da sociedade, como o business English também conhecido como business-esse, o economese (economês), o legalese (legalês) e tantos outros, todos mantendo o rigor da gramática, pontuação, etc., mas com linguajar próprio.

Alguns desses “ingleses” especializados serão abordados no próximo artigo. (Contato com o autor: John D. Godinho – jdg161@gmail.com)

capa do livro once upon a time um inglês do autor john d. godinho

O texto acima faz parte do livro Once Upon a Time um Inglês… A história, os truques e os tiques do idioma mais falado do planeta escrito por John D. Godinho. Adquira essa obra nos seguintes endereços:
www.agbook.com.br
www.clubedeautores.com.br

Leia também:
As Faces do Inglês: Slang e Palavrões
As Faces do Inglês: os Palavrões e a Moralidade
As Faces do Inglês: os Palavrões em Inglês e sua Metamorfose

Como agradecer ao Inglês no Supermercado porque ele existe? Adicione um link para esta página ou clique nos ícones abaixo e divulgue o blog e tudo que você sabe sobre As Faces do Inglês: o Padrão e o Não Padrão no Facebook, Twitter, emails etc.

O que você achou desse texto?